O puerpério.

Eu me preparei para o puerpério como quem se prepara pra guerra. Li muito, tanto livros como blogs que falavam sobre o lado B da maternidade. Marquei psiquiatra para 15 dias após o parto, já esperando que ia estar muito louca e precisando voltar pros meus remédios (que acabei ficando sem na maior facilidade durante a gravidez toda), ainda mais por tudo que aconteceu na gravidez. Tive muito, muito medo. Esperei o baby blues, a depressão pós parto…e ela não veio. Ê TODAS COMEMORA o/

Qdo tivemos alta do parto do Isaac, questionamos a pediatra que achamos Isaac meio amarelinho. A filha da puta, com o coombs indireto positivo em mãos, disse que não – mas insistiu muito pra que vissemos outro pediatra ainda aquela semana. Logo, dois dias depois de sairmos do hospital com Isaac, internamos novamente em outro hospital pra que ele fizesse banho de luz devido à icterícia. Minha raiva da médica é que, isso foi um processo muito desgastante, que poderia ter sido evitado, fazendo o banho de luz ainda na maternidade. Lá se foi por água abaixo o começo do meu ‘resguardo’.

Pq nem D nem minha mãe pareciam levar a sério ou entender a gravidade de facilitar um minuto e deixar Isaac tirar o óculos de proteção. Eles simplesmente dormiam como se nada estivesse acontecendo. Fiquei paranóica com isso e não consegui dormir e/ou descansar um minuto durante as ~36h que ele esteve internado. E, acho que ali nasceu minha força.

Eu inchei terrivelmente, fiquei deformada, não senti meu pé direito durante vários dias (confesso que tive medo de dar algum problema). Tive uma alergia horrorosa ao absorvente. Sentia muita dor. Queria ir pra casa, queria meu pequeno em casa, dar banho, cheirar. Andava pelo corredor de madrugada quando todo mundo dormia, e só eu e uma outra mãe com bebê chorando estavam acordadas naquele hospital todo escuro. Foi horrível. Daí eu virei uma leoa. 

E nos dias seguintes abracei minha cria com todo carinho e cuidado e não senti baby blues. Uma coisa MUITO importante teve total influência nisso: eu tive muito apoio, uma ‘base’ que foi fundamental. Apoio incondicional de D, com o bebê, o dia a dia, a amamentação, minha recuperação. E apoio incondicional da minha mãe, que cuidou da casa, da minha alimentação, de roupa, limpeza, etc. Eles formaram um ‘tripé’ de cuidados que foi tudo pra mim. Então eu não tive preocupações. Eu tive exatamente o que eu desejava: todo o tempo livre pra cuidar do meu bebê, curtir e conhecer ele com calma.

Em momento algum eu tive insegurança, senti que não soubesse o que fazer em relação a algum cuidado com Isaac. Eu nunca cheguei a chorar no banho, sentir tristeza, vontade de fugir, ou etc. Tive o cansaço dos primeiros dias, normal, mas reagi muito melhor do que o esperado – e ouvi isso de muita gente, o que me enche de orgulho.rs A maternidade aqui chegou e se alojou de forma muito natural. Não houve medo, despreparo, solidão…o ‘novo mundo’ da minha vida chegou com uma delicadeza deliciosa e me mostrou que minha paixão de ser mãe fazia parte de um plano muito maior e eu estava preparada. Só mesmo Deus sabe o quanto sou grata por ter reagido tão bem.

Aí eu desmarquei o psiquiatra. E não voltei pros meus remédios. E não senti falta. O mérito tb é de Isaac. O bebê mais lindo e dócil que conheço, mesmo nas madrugadas, o que com certeza também ajudou nessa vitória. 🙂

[foto do newborn]

[foto do newborn]

Meio kg de Isaac!

Filho, sua mãe anda lerda. Fiz o exame e não perguntei seu peso. Ontem qdo peguei o laudo e vi quase 500gr de bebê, chorei – em pé sozinha numa esquina de uma das avenidas mais movimentadas da cidade – chorei, chorei. Vi a foto do seu pézim, que me chuta tanto agora, e chorei mais. Esse choro é tão raro, filho! Emoção com felicidade, coração cheio de amor… Que felicidade vc tão perfeitinho e bem cuidado aí dentro!

morfológica21semanas

Isaac na morfológica com 21s + 1d está com 433gr e 24,7cm. Um coraçãozinho a 144bpm, todo formadinho e perfeitinho. Fizemos com doppler por causa da hipertensão, mas está tudo certinho! Mamãe morrendo de amor!

então, é Natal.

Nunca gostei muito de Natal. Esse ano minha família se reuniu ruidosamente e foi razoável. Ontem li muito a Bíblia e pedi muito a Deus que me dê um sinal – estava tão aborrecida, já inchada e cheia de espinhas de ter começado a progesterona pra menstruar. Hoje eu estou beeem inchada mesmo! Incomoda tanto, mas a gente pensa que tudo bem, é o começo de um começo de um novo ciclo e isso enche de fé!

E entrei na internet pra ver o resultado do estradiol e da prolactina. Aí veio o baque: estradiol alto, prolactina altíssima. Foi um baque, estou chocada. Fiz esse exame há um mês e meio e estava tudo ok.

Não sei o que pensar. De tanto pedir um sinal pra Deus, estou ficando confusa sobre o que é e o que não é um sinal. Tô muito chateada mesmo. Vou orar e cair na cama, mas me senti esmorecida. Talvez, agora, aos 28, eu descubra que não são todas as coisas que eu me proponho a fazer que vão dar certo. Ter um filho será uma dessas?

A SOP, os exames (são muitos!), inchaço, acne, ganho de peso, ciclos intermináveis, ser refém de horários médicos a perder de vista, médicos que se contradizem e etc…meu deus. Será mesmo que precisa passar por tudo isso?

a SOP e a consulta com a endócrina.

Olás! Voltei hoje pra contar como foi a consulta com a endócrina.

Minha endócrina é jovem e antenada e me ajudou muito uma época que perdi peso por estética. Como vocês sabem, por conta da SOP, voltei lá essa semana. Vou atualizar por tópicos pra não me perder:

*Exames: ela ficou aborrecida do GO não ter passado todos os exames antes, com meu organismo ‘bagunçado’, sem indução, sem progesterona, pra ter o diagnóstico da SOP fechadinho…mas que tudo bem. Me passou UM MONTE de exames, as dosagens hormonais – FSH, LH, Testosterona, Estradiol – os de tireoide, hemograma completo, prolactina de novo e alguns outros. Não pediu ultra pq se tomei indutor e não ovulei, tem folículo sem romper = cistos. Os de tireoide e de sangue em geral já saiu o resultado, estão todos ok. Faltam os hormonais (FSH, LH, Testosterona) e amanhã vou colher o Estradiol e a Prolactina de novo.

*A metformina: estou com 1g/dia, sendo 2x 500mg, um após o almoço e um após o jantar. Ela pediu pra alterar pra 2g/dia: um cp meia hora antes do almoço, um após e o mesmo com o jantar. Pra continuar com a versão XR que é a melhor que tem, mas que essa dosagem podia me dar diarreia, então se der, diminuir. E conversou comigo a questão da gravidez, que a maior parte dos médicos são conservadores e não são a favor do uso dela – que então vou alinhar isso com meu GO. Que se descobrir uma gravidez, reduzir pra meia dose até ver meu médico. Conversou sobre os benefícios dela e tal, pediu curva glicêmica. Ainda não fiz a alteração.

*O peso: a pior parte. Me pediu pra perder entre 4 e 5kg. Eu estou com 59,6kg e uma barriguinha. Perder 5 kg pra mim é muito difícil! Refez minha dieta, me passou dois sucos detox, e comentou que o indutor vai me fazer reter líquido e provavelmente ganhar peso – e só por isso eu estou considerando me empenhar em perder algum peso, pra não ficar ainda mais cheinha. Eu fiquei bem chateada no dia com essa história de dieta, viu? Acho um saco! Fiquei tão chateada que saí e comi um Burger King ahahuahuahauah

Adiei a volta da progesterona (pra menstruar) até terminar de fazer os exames. Consegui marcar a GO especialista em reprodução humana pra dia 16/01 (pelo plano!), vou estar no meio do segundo ciclo induzido, mas não faço a menor ideia do que vou dizer pra ela! D sabe dos exames e da consulta com a endócrina, mas não tudo de pertinho-pertinho, deixar ele respirar tb. É muito exame, muita informação, muita coisa.

Acho que não volto antes do Natal, mas volto antes do Ano Novo. Quero fazer minhas promessas e registrar no blog o sonho de carregar meu sonho na barriga em 2015.  😉

Tô morrendo de ódio com meu computador, finalizei o post do celular. Assim que der volto pra retribuir todas as visitas!

um novo primeiro ciclo.

(tô horrorizada que fiz um post e, ele sumiu. e agora eu não sei se lembro de tudo que escrevi.)

depois do último post eu passei uns dias deprê, mesmo. mimimizando, me vitimizando, desanimada. depois passou. e veio uma outra fase. comecei o Farlutal e, tb comecei a ler muito. fui ler sobre a SOP e assuntos relacionados nos fóruns da vida. me joguei no Baby Center, e-family, FB…até que passei pro Google Academics e então teses, pesquisas, artigos, publicações. um dia estive na faculdade e, passei pros livros. nesse dia voltou pra casa comigo um ÓTIMO: Endocrinologia Ginecológica, do Dr Lucas Vianna Machado – o intuito inicial era saber o que esperar da consulta com a endócrina (dia 16/12) nesse caso agora, mas ele tem MUITA informação boa.

sobretudo, achei uma linha de ação em todos os lugares: o uso da metformina. várias pesquisas com o uso da metformina, em doses altas e baixas, metformina isolada, metformina + indutor, entre outros. juntando todas as informações, tomei uma atitude arriscada: tomar a metformina por conta própria. como fiquei com um pouco de medo – ou preguiça? – dos efeitos colaterais mencionados por quase todos (diarréia, enjoos, dor de cabeça), comecei com uma versão XR da metformina, uma versão de liberação prolongada, porém com os mesmos efeitos. só tem 5 dias que estou tomando e, comecei com a forma mais indicada que li em geral: 500mg ao dia, então 1000mg sendo 2x500mg/dia, e então 1500mg 2x750mg/dia). por ora não senti absolutamente NADA de diferente (de ruim). não tive nenhum dos efeitos colaterais, mas sei que pode ser porque a dose ainda está baixa. (pra efeitos de informação, paguei R$11,88 numa caixa com 30 cp, no Glifage XR. e, antes disso, ~R$16,00 no Farlutal com 10 cp.)

Glifage XR 500mg: olha o tamanho desse comprimido!

Glifage XR 500mg: olha o tamanho desse comprimido!

no livro tem um capítulo que fala sobre insuficiência lútea – problemas com a implantação do embrião, devido ao endométrio fino, ou com a manutenção da gestação, devido a defasagem de progesterona – e isso deu um nó na minha cabeça. mas antes que eu comece a tomar um monte de medicamentos por conta própria, acho razoável testar ao menos minha ovulação. nesse meio tempo tenho endócrina e tenho tb uma guia de exames pra TSH e Progesterona que uma amiga médica me arranjou (que ainda vou ver essa semana se a Unimed vai liberar). o exame de progesterona já pode ajuda a desfazer um pouco essa minhoca, mas adianto que em geral estou um pouco mais tranquila esses dias.

em tempo: a prolactina está ok, foi a primeira ‘coisa positiva’ que aconteceu esses dias e me deu um up nos dias em que eu ainda estava mimimizando. ao menos algo bom, né?

aí hoje, antes do esperado (pq terminei o Farlutal ontem, e da outra vez demorou 5 dias pra vir), TCHARAAAAAAAAAAAAAAAAAAAM: 1DC, começo de um novo ciclo! meu primeiro ciclo com indutor! animadíssima! gente, como explicar tanta felicidade em menstruar, né? *.* pelamor, eu já tava no 53DC o.O

ps.: dia 15/11, pleno feriado, tive um chá de fraldas pra ir. lá tinha 6 grávidas. SEIS. SEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEIS.

.retorno ao GO, recomeço e post longo.

O post de hoje vai ser longo: senta que lá vem a história. Mas, né, estou praticamente um mês sem escrever! Um mês 3,6kg mais gorda, muitas espinhas e, outro ciclo de 42 dias. Tive GO no dia 07/11 e, é sobre isso que vim registrar.

O retorno ao GO contou com o resultado do espermograma de D. e, uma coisa bonita: a iniciativa dele em me acompanhar nas consultas, na busca ativa por esse bebê tão desejado. Ele fez o espermograma numa boa e o resultado está ok. Por questões de estou-falando-dele-e-não-de-mim, não vou entrar em detalhes. Mas só Deus e meu coração sabem o quanto estou grata por essa iniciativa dele, esse companheirismo.

O GO conversou com a gente sobre o resultado do espermograma, período fértil (nos ensinou a calcular direitinho e quando namorar, e eu fiz cara de paisagem e deixei ele achar que a gente não sabia, vai que ele ficava mais feliz em explicar), minha SOP, ovulação, menstruação…quando comecei a perguntar, ele soltou o clássico ‘pelo visto você andou lendo muito no Google e não vai dar pra eu ficar inventando pra cima de você’ o.O Então sentamos e conversamos e o resultado foi:

De início, 10 dias de Farlutal de novo, até menstruar. Depois de menstruar, serão 6 ciclos de indutor, com 1 comprimido de Serophene durante 5 dias a partir do 5DC. Ultra seriada? Não. É pra eu retornar em 3 meses e, se não tiver tido sucesso, aí faremos a US pra confirmar a ovulação, mas ele foi categórico ao dizer que não gosta de US pq tira ‘a espontaneidade’ da relação. Que quer que a gente namore muito, com paixão, deseje esse bebê, e não fique pirando ‘hoje está do tamanho errado, não namora/hoje tá com tamanho bom, então namora’. Não receitou a metformina – que metformina e gestação não combinam (e fiquei/estou confusa sobre isso porque li mil coisas controversas na internet), não quis passar dosagem hormonal, alegando que pela SOP vai estar tudo alterado mesmo, e que não é isso nossa busca…insisti na questão da prolactina, que tenho lido muito que, se alta, inibe a ação do indutor, e ele passou o pedido pra prolactina, não sem antes discursar meia hora sobre minha ansiedade e deixar claro que eu estou queimando etapas (mas eu tava certa, né, se ele cedeu). Sobre o peso que ganhei e a acne: meu metabolismo não ajuda, então com o ac, o peso estabilizou. Se eu tirei o ac e mantive a mesma vida, não ia funcionar. Pra fechar a boca, me exercitar, que se eu voltar a ovular, vai ajudar na perda de peso. E que o efeito colateral do indutor é como todo efeito colateral: varia de pessoa pra pessoa.

Agora meu pensamento/opinião: quase chorei a consulta inteira. Nervosa, instável, já tinha levado dois negativos na fuça na mesma semana (ai, gente, que drama). D estar lá me ajudou demais. Fiquei levemente chateada com a falta do US, mas entendi a questão da tensão-pro-casal que ele propôs e, ó, confesso, tenho PAVOR de mecanizar meu relacionamento. Então se é por 3 ciclos, eu topei. Sobre a dosagem hormonal: fiz o exame de prolactina ontem e, meus últimos exames de tireóide não deram alteração, mas já tem bastante tempo – então vou dar um jeito de fazer os exames, sem ele saber. Nesse meio tempo, vou tentar agendar com minha endócrina pra me auxiliar com os hormônios, ver essa questão da metformina e dar um socorro com a perda de peso. Uma coisa sou obrigada a concordar: ele comentou que outro médico no lugar dele, não iria receitar nada. Ou só tentar regular o ciclo. E um especialista em reprodução vai me mandar pra casa pra voltar em um ano. Que sou muito ansiosa e estou queimando etapas. E isso é real.

Mas fiquei triste. À noite, num abraço, desabei: chorei com D sobre ouvir falar sobre meu organismo eternamente desregulado…sobre pensar que, será que vai ser sempre difícil assim pra ter um filho. Chorei de medo de não conseguir, de não realizar esse sonho. De não ter meu bebê. Chorei de medo, de angústia, de nervoso. Chorei de arrependimento de não ter parado o ac antes e ter vindo só regulando a menstruação há mais tempo. D me abraçou, me beijou, me cheirou, disse que se o médico disse que são 40% de chance de engravidar em 6 meses, são 40% e vamos usar eles e fim. Que podia ser pior, ele podia ter dito simplesmente que não vou ter um filho nunca. Me pediu pra ter fé e confiar em Deus, que vamos realizar isso. E que, nós, que andamos dois coelhos (hehe) vamos então namorar MAIS e MAIS. Queria ser um mosquitinho pra entrar na cabeça dele e saber se é isso mesmo que ele pensa, se tudo isso, a consulta, o excesso de informação e etc, não deu um SUSTO no meu amor.

Fiquei ontem ainda triste, borocoxô. Duas amigas gestantes e entendidas conversaram muito comigo, uma está me ajudando muito (bah, sua linda, sei que vc está lendo e sei que vc sabe que é vc, beijo na casinha da Rafa <3) a ficar otimista e manter a calma e pensar com a cabeça – e não com o desejo. Hoje amor e eu passamos o dia num clube, na água, brincando, namorando e se divertindo sem pensar em nada e eu me sinto melhor.

Vou medir TB esse ciclo de novo (ainda não ovulei, mas adoro TB) e espero dar tudo certo – gente, como eu quero ovular! Acho que minha maior urgência atualmente é ver meu corpo vivo, ativo, funcionando! Sobretudo, espero com o passar dos dias conseguir manter a cabeça no lugar, ter um pouco mais de fé e calma, não sofrer e não me angustiar, dar tempo ao tempo, me conectar com meu corpo e entender o que ele diz. Se sou ou não capaz de realizar esse sonho. Eu acredito que sim, mas confesso, preciso um up na auto-confiança, que está bem abalada.

Era isso. Espero voltar em menos dias pra dar notícias – e espero sinceramente não ter de novo um ciclo de 42 dias.

Beijos!