um novo primeiro ciclo.

(tô horrorizada que fiz um post e, ele sumiu. e agora eu não sei se lembro de tudo que escrevi.)

depois do último post eu passei uns dias deprê, mesmo. mimimizando, me vitimizando, desanimada. depois passou. e veio uma outra fase. comecei o Farlutal e, tb comecei a ler muito. fui ler sobre a SOP e assuntos relacionados nos fóruns da vida. me joguei no Baby Center, e-family, FB…até que passei pro Google Academics e então teses, pesquisas, artigos, publicações. um dia estive na faculdade e, passei pros livros. nesse dia voltou pra casa comigo um ÓTIMO: Endocrinologia Ginecológica, do Dr Lucas Vianna Machado – o intuito inicial era saber o que esperar da consulta com a endócrina (dia 16/12) nesse caso agora, mas ele tem MUITA informação boa.

sobretudo, achei uma linha de ação em todos os lugares: o uso da metformina. várias pesquisas com o uso da metformina, em doses altas e baixas, metformina isolada, metformina + indutor, entre outros. juntando todas as informações, tomei uma atitude arriscada: tomar a metformina por conta própria. como fiquei com um pouco de medo – ou preguiça? – dos efeitos colaterais mencionados por quase todos (diarréia, enjoos, dor de cabeça), comecei com uma versão XR da metformina, uma versão de liberação prolongada, porém com os mesmos efeitos. só tem 5 dias que estou tomando e, comecei com a forma mais indicada que li em geral: 500mg ao dia, então 1000mg sendo 2x500mg/dia, e então 1500mg 2x750mg/dia). por ora não senti absolutamente NADA de diferente (de ruim). não tive nenhum dos efeitos colaterais, mas sei que pode ser porque a dose ainda está baixa. (pra efeitos de informação, paguei R$11,88 numa caixa com 30 cp, no Glifage XR. e, antes disso, ~R$16,00 no Farlutal com 10 cp.)

Glifage XR 500mg: olha o tamanho desse comprimido!

Glifage XR 500mg: olha o tamanho desse comprimido!

no livro tem um capítulo que fala sobre insuficiência lútea – problemas com a implantação do embrião, devido ao endométrio fino, ou com a manutenção da gestação, devido a defasagem de progesterona – e isso deu um nó na minha cabeça. mas antes que eu comece a tomar um monte de medicamentos por conta própria, acho razoável testar ao menos minha ovulação. nesse meio tempo tenho endócrina e tenho tb uma guia de exames pra TSH e Progesterona que uma amiga médica me arranjou (que ainda vou ver essa semana se a Unimed vai liberar). o exame de progesterona já pode ajuda a desfazer um pouco essa minhoca, mas adianto que em geral estou um pouco mais tranquila esses dias.

em tempo: a prolactina está ok, foi a primeira ‘coisa positiva’ que aconteceu esses dias e me deu um up nos dias em que eu ainda estava mimimizando. ao menos algo bom, né?

aí hoje, antes do esperado (pq terminei o Farlutal ontem, e da outra vez demorou 5 dias pra vir), TCHARAAAAAAAAAAAAAAAAAAAM: 1DC, começo de um novo ciclo! meu primeiro ciclo com indutor! animadíssima! gente, como explicar tanta felicidade em menstruar, né? *.* pelamor, eu já tava no 53DC o.O

ps.: dia 15/11, pleno feriado, tive um chá de fraldas pra ir. lá tinha 6 grávidas. SEIS. SEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEIS.

.retorno ao GO, recomeço e post longo.

O post de hoje vai ser longo: senta que lá vem a história. Mas, né, estou praticamente um mês sem escrever! Um mês 3,6kg mais gorda, muitas espinhas e, outro ciclo de 42 dias. Tive GO no dia 07/11 e, é sobre isso que vim registrar.

O retorno ao GO contou com o resultado do espermograma de D. e, uma coisa bonita: a iniciativa dele em me acompanhar nas consultas, na busca ativa por esse bebê tão desejado. Ele fez o espermograma numa boa e o resultado está ok. Por questões de estou-falando-dele-e-não-de-mim, não vou entrar em detalhes. Mas só Deus e meu coração sabem o quanto estou grata por essa iniciativa dele, esse companheirismo.

O GO conversou com a gente sobre o resultado do espermograma, período fértil (nos ensinou a calcular direitinho e quando namorar, e eu fiz cara de paisagem e deixei ele achar que a gente não sabia, vai que ele ficava mais feliz em explicar), minha SOP, ovulação, menstruação…quando comecei a perguntar, ele soltou o clássico ‘pelo visto você andou lendo muito no Google e não vai dar pra eu ficar inventando pra cima de você’ o.O Então sentamos e conversamos e o resultado foi:

De início, 10 dias de Farlutal de novo, até menstruar. Depois de menstruar, serão 6 ciclos de indutor, com 1 comprimido de Serophene durante 5 dias a partir do 5DC. Ultra seriada? Não. É pra eu retornar em 3 meses e, se não tiver tido sucesso, aí faremos a US pra confirmar a ovulação, mas ele foi categórico ao dizer que não gosta de US pq tira ‘a espontaneidade’ da relação. Que quer que a gente namore muito, com paixão, deseje esse bebê, e não fique pirando ‘hoje está do tamanho errado, não namora/hoje tá com tamanho bom, então namora’. Não receitou a metformina – que metformina e gestação não combinam (e fiquei/estou confusa sobre isso porque li mil coisas controversas na internet), não quis passar dosagem hormonal, alegando que pela SOP vai estar tudo alterado mesmo, e que não é isso nossa busca…insisti na questão da prolactina, que tenho lido muito que, se alta, inibe a ação do indutor, e ele passou o pedido pra prolactina, não sem antes discursar meia hora sobre minha ansiedade e deixar claro que eu estou queimando etapas (mas eu tava certa, né, se ele cedeu). Sobre o peso que ganhei e a acne: meu metabolismo não ajuda, então com o ac, o peso estabilizou. Se eu tirei o ac e mantive a mesma vida, não ia funcionar. Pra fechar a boca, me exercitar, que se eu voltar a ovular, vai ajudar na perda de peso. E que o efeito colateral do indutor é como todo efeito colateral: varia de pessoa pra pessoa.

Agora meu pensamento/opinião: quase chorei a consulta inteira. Nervosa, instável, já tinha levado dois negativos na fuça na mesma semana (ai, gente, que drama). D estar lá me ajudou demais. Fiquei levemente chateada com a falta do US, mas entendi a questão da tensão-pro-casal que ele propôs e, ó, confesso, tenho PAVOR de mecanizar meu relacionamento. Então se é por 3 ciclos, eu topei. Sobre a dosagem hormonal: fiz o exame de prolactina ontem e, meus últimos exames de tireóide não deram alteração, mas já tem bastante tempo – então vou dar um jeito de fazer os exames, sem ele saber. Nesse meio tempo, vou tentar agendar com minha endócrina pra me auxiliar com os hormônios, ver essa questão da metformina e dar um socorro com a perda de peso. Uma coisa sou obrigada a concordar: ele comentou que outro médico no lugar dele, não iria receitar nada. Ou só tentar regular o ciclo. E um especialista em reprodução vai me mandar pra casa pra voltar em um ano. Que sou muito ansiosa e estou queimando etapas. E isso é real.

Mas fiquei triste. À noite, num abraço, desabei: chorei com D sobre ouvir falar sobre meu organismo eternamente desregulado…sobre pensar que, será que vai ser sempre difícil assim pra ter um filho. Chorei de medo de não conseguir, de não realizar esse sonho. De não ter meu bebê. Chorei de medo, de angústia, de nervoso. Chorei de arrependimento de não ter parado o ac antes e ter vindo só regulando a menstruação há mais tempo. D me abraçou, me beijou, me cheirou, disse que se o médico disse que são 40% de chance de engravidar em 6 meses, são 40% e vamos usar eles e fim. Que podia ser pior, ele podia ter dito simplesmente que não vou ter um filho nunca. Me pediu pra ter fé e confiar em Deus, que vamos realizar isso. E que, nós, que andamos dois coelhos (hehe) vamos então namorar MAIS e MAIS. Queria ser um mosquitinho pra entrar na cabeça dele e saber se é isso mesmo que ele pensa, se tudo isso, a consulta, o excesso de informação e etc, não deu um SUSTO no meu amor.

Fiquei ontem ainda triste, borocoxô. Duas amigas gestantes e entendidas conversaram muito comigo, uma está me ajudando muito (bah, sua linda, sei que vc está lendo e sei que vc sabe que é vc, beijo na casinha da Rafa <3) a ficar otimista e manter a calma e pensar com a cabeça – e não com o desejo. Hoje amor e eu passamos o dia num clube, na água, brincando, namorando e se divertindo sem pensar em nada e eu me sinto melhor.

Vou medir TB esse ciclo de novo (ainda não ovulei, mas adoro TB) e espero dar tudo certo – gente, como eu quero ovular! Acho que minha maior urgência atualmente é ver meu corpo vivo, ativo, funcionando! Sobretudo, espero com o passar dos dias conseguir manter a cabeça no lugar, ter um pouco mais de fé e calma, não sofrer e não me angustiar, dar tempo ao tempo, me conectar com meu corpo e entender o que ele diz. Se sou ou não capaz de realizar esse sonho. Eu acredito que sim, mas confesso, preciso um up na auto-confiança, que está bem abalada.

Era isso. Espero voltar em menos dias pra dar notícias – e espero sinceramente não ter de novo um ciclo de 42 dias.

Beijos!

Finalmente, um ciclo novo.

Tive um 2 ciclo de 52 dias. Hj estou no 2DC do, então, o que seria 3 ciclo – mas que eu não sei se vou considerar. Menstruei 5 dias após tomar Farlutal durante 10 dias. O fluxo está super reduzido e, claro, não tive TPM alguma. Foi induzido. Por isso não sei se vou considerar – na minha cabecinha, ciclo novo é ciclo que se renova sozinho.

Pensei em tomar água inglesa, chá de inhame…quero ovular esse mês, só pra menstruar normalmente. Tenho fé, mas tb sou muito pé no chão e acho que isso não vai acontecer, mas resolvi dar mais um mês de chance pro meu corpo. Será outubro. Vou acompanhar com TB pra não ficar muito à deriva. A chance não é pra engravidar, é só pra funcionar, o que mais quero no momento.

Me afastar dos grupos e de ler sobre, foi crucial. Estou mais calma, menos ansiosa. Uma tentativa de estar saudável mentalmente. Quero que meu corpo funcione, quero que a gente se entenda, e que quando um bebê resolver chegar, seja na nossa hora certa: minha e dele.

Nesse tempo muitas coisas aconteceram. Lecionei mais, assinei o contrato da casa…fiquei muito (muito!) triste e nervosa nos 10 dias de Farlutal. Agora estou em outro clima. Aproveitando e vivendo intensamente coisas das quais desfoquei pq já tinha pulado direto pro plano de ter um bebê. Meu noivo está ao meu lado, seguro e animado, mas esse tempo foi bom até pra avaliar como somos e como estamos pra essa jornada. Muita coisa pra pensar.

Eu sempre quis ser mãe. Eu esperei muito até me sentir segura pra dar esse passo. E não vou estragar tudo agora. Quero me conectar com meu corpo e com o que vem. E vou tentar manter a sanidade de registrar – um dia pode ajudar alguém.